No primeiro dia da primavera, o Mercado das Flores por Augusto Malta

Marcando, mais uma vez, o início da primavera, a Brasiliana Fotográfica destaca a imagem Mercado das Flores, produzida por Augusto Malta (1864 – 1957), por volta de 1920. O alagoano Malta foi o fotógrafo oficial da cidade do Rio de Janeiro entre 1903 e 1936, quando se aposentou. Foi contratado pelo prefeito Pereira Passos (1836 – 1913) para documentar a radical mudança urbanística promovida por ele, período que ficou conhecido como o “bota-abaixo” e que contribuiu fortemente para o surgimento do Rio de Janeiro da Belle Époque. Em janeiro de 1910, já era possível ver, através do tapume o “cavername de ferro do elegante pavilhão que a Prefeitura está construindo para abrigar o mercado das flores”. Foi inaugurado em 17 de abril do mesmo ano com a presença do prefeito da cidade, Serzedelo Correia (1858 – 1932) e de Julio Furtado (1851 -1934), diretor das Matas e Jardins.

No primeiro dia da primavera, o Mercado das Flores por Augusto Malta

No primeiro dia da primavera, o Mercado das Flores por Augusto Malta

Marcando, mais uma vez, o início da primavera, a Brasiliana Fotográfica destaca a imagem Mercado das Flores, produzida por Augusto Malta (1864 – 1957), por volta de 1920. O alagoano Malta foi o fotógrafo oficial da cidade do Rio de Janeiro entre 1903 e 1936, quando se aposentou. Foi contratado pelo prefeito Pereira Passos (1836 – 1913) para documentar a radical mudança urbanística promovida por ele, período que ficou conhecido como o “bota-abaixo” e que contribuiu fortemente para o surgimento do Rio de Janeiro da Belle Époque. Em janeiro de 1910, já era possível ver, através do tapume o “cavername de ferro do elegante pavilhão que a Prefeitura está construindo para abrigar o mercado das flores”. Foi inaugurado em 17 de abril do mesmo ano com a presença do prefeito da cidade, Serzedelo Correia (1858 – 1932) e de Julio Furtado (1851 -1934), diretor das Matas e Jardins.

O objeto de trabalho: Augusto Malta e sua máquina fotográfica

O objeto de trabalho: Augusto Malta e sua máquina fotográfica

Beatriz Kushnir e Carolina Ferro, diretora e gerente de pesquisa do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro (AGCRJ), respectivamente, são as autoras do artigo “O objeto de trabalho: Augusto Malta e sua câmera fotográfica”, sobre as dificuldades para a produção de fotografias de um determinado momento, monumento ou evento, no século XIX , e no início do século XX. Os objetos destinados às fotografias eram muito maiores e mais complexos. Nesse período, mais especificamente no início do século XX, Augusto Malta, fotógrafo oficial do município do Rio de Janeiro, foi um dos nomes mais célebres da fotografia no Brasil. O AGCRJ é uma das instituições parceiras da Brasiliana Fotográfica.

O objeto de trabalho: Augusto Malta e sua câmera fotográfica

Beatriz Kushnir e Carolina Ferro, diretora e gerente de pesquisa do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro (AGCRJ), respectivamente, são as autoras do artigo “O objeto de trabalho: Augusto Malta e sua câmera fotográfica”, sobre as dificuldades para a produção de fotografias de um determinado momento, monumento ou evento, no século XIX , e no início do século XX. Os objetos destinados às fotografias eram muito maiores e mais complexos. Nesse período, mais especificamente no início do século XX, Augusto Malta, fotógrafo oficial do município do Rio de Janeiro, foi um dos nomes mais célebres da fotografia no Brasil. O AGCRJ é uma das instituições parceiras da Brasiliana Fotográfica.

O funeral de Teixeira Mendes pela lente de Augusto Malta

O funeral de Teixeira Mendes pela lente de Augusto Malta

O pesquisador Ricardo Augusto dos Santos, da Fiocruz, uma das instituições parceiras da Brasiliana Fotográfica, e Marcus Vinícius Rubim Gomes, estagiário na Casa de Oswaldo Cruz, são os autores do artigo sobre os registros produzidos pelo alagoano Augusto Malta (1864 – 1957) do funeral do maranhense Raimundo Teixeira Mendes (1855 – 1927). Malta, em 1903, foi contratado como fotógrafo oficial, cargo criado para ele, da prefeitura Rio de Janeiro. Aposentou-se em 1936. Teixeira Mendes, o “apóstolo do positivismo no Brasil”, foi, além de filósofo, matemático e autor da bandeira nacional republicana. Seu cortejo fúnebre parou a cidade do Rio de Janeiro.

O funeral de Teixeira Mendes pela lente de Augusto Malta

O pesquisador Ricardo Augusto dos Santos, da Fiocruz, uma das instituições parceiras da Brasiliana Fotográfica, e Marcus Vinícius Rubim Gomes, estagiário na Casa de Oswaldo Cruz, são os autores do artigo sobre os registros produzidos pelo alagoano Augusto Malta (1864 – 1957) do funeral do maranhense Raimundo Teixeira Mendes (1855 – 1927). Malta, em 1903, foi contratado como fotógrafo oficial, cargo criado para ele, da prefeitura Rio de Janeiro. Aposentou-se em 1936. Teixeira Mendes, o “apóstolo do positivismo no Brasil”, foi, além de filósofo, matemático e autor da bandeira nacional republicana. Seu cortejo fúnebre parou a cidade do Rio de Janeiro.

A Praça da Bandeira pelas lentes de Augusto Malta (1864 – 1957)

A Praça da Bandeira pelas lentes de Augusto Malta (1864 – 1957)

A Brasiliana Fotográfica traz a história da Praça da Bandeira desde sua criação, em 1911. Anteriormente era denominada Largo do Matadouro por ter abrigado de 1853 até o final do século XIX o Matadouro Público do Rio de Janeiro. A nova nomenclatura foi brindada com a realização de uma Festa da Bandeira oficial na renovada praça. Luiza Ferreira, gerente de pesquisa do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, uma das instituições parceiras do portal, é a autora da publicação. As imagens são do alagoano Augusto Malta (1864 – 1957), que foi o fotógrafo da prefeitura da cidade entre 1903 e 1936, e de seu filho, Uriel Malta (1910 – 1994).

A Praça da Bandeira pelas lentes de Augusto Malta (1864 – 1957)

A Brasiliana Fotográfica traz a história da Praça da Bandeira desde sua criação, em 1911. Anteriormente era denominada Largo do Matadouro por ter abrigado de 1853 até o final do século XIX o Matadouro Público do Rio de Janeiro. A nova nomenclatura foi brindada com a realização de uma Festa da Bandeira oficial na renovada praça. Luiza Ferreira, gerente de pesquisa do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, uma das instituições parceiras do portal, é a autora da publicação. As imagens são do alagoano Augusto Malta (1864 – 1957), que foi o fotógrafo da prefeitura da cidade entre 1903 e 1936, e de seu filho, Uriel Malta (1910 – 1994).

O prefeito Pereira Passos (1836 – 1913) e o fotógrafo Augusto Malta (1864 -1957)

Foi na gestão do engenheiro Francisco Pereira Passos (1836 – 1913) que, pela primeira vez, a prefeitura do Rio de Janeiro contratou um fotógrafo, o alagoano Augusto Malta (1864 -1957), para documentar as obras da cidade. Em junho de 1903, foi criado o cargo de fotógrafo oficial, ocupado por Malta até 1936. O prefeito Pereira Passos precisava de um fotógrafo para registrar as obras e os imóveis a serem desapropriados para posteriores pagamentos de indenizações e Malta passou a documentar a radical mudança urbanística promovida por ele.

O prefeito Pereira Passos (1836 – 1913) e o fotógrafo Augusto Malta (1864 -1957)

O prefeito Pereira Passos (1836 – 1913) e o fotógrafo Augusto Malta (1864 -1957)

Foi na gestão do engenheiro Francisco Pereira Passos (1836 – 1913) que, pela primeira vez, a prefeitura do Rio de Janeiro contratou um fotógrafo, o alagoano Augusto Malta (1864 -1957), para documentar as obras da cidade. Em junho de 1903, foi criado o cargo de fotógrafo oficial, ocupado por Malta até 1936. O prefeito Pereira Passos precisava de um fotógrafo para registrar as obras e os imóveis a serem desapropriados para posteriores pagamentos de indenizações e Malta passou a documentar a radical mudança urbanística promovida por ele.