A cidade de Santos pelas lentes de Militão Augusto de Azevedo (1837 – 1905)

A cidade de Santos pelas lentes de Militão Augusto de Azevedo (1837 – 1905)

Com registros produzidos, na década de 1860, por Militão Augusto de Azevedo (1837 – 1905), um dos mais importantes fotógrafos brasileiros do século XIX, a Brasiliana Fotográfica homenageia a cidade de Santos. Fundada em 1546, seu aniversário é comemorado no dia 26 de janeiro, data em que, no ano de 1839, foi elevada de vila à cidade, a partir de uma lei assinada por Venâncio José Lisboa (1810 -1880), na época, presidente da província de São Paulo.

A cidade de Santos pelas lentes de Militão Augusto de Azevedo (1837 – 1905)

Com registros produzidos, na década de 1860, por Militão Augusto de Azevedo (1837 – 1905), um dos mais importantes fotógrafos brasileiros do século XIX, a Brasiliana Fotográfica homenageia a cidade de Santos. Fundada em 1546, seu aniversário é comemorado no dia 26 de janeiro, data em que, no ano de 1839, foi elevada de vila à cidade, a partir de uma lei assinada por Venâncio José Lisboa (1810 -1880), na época, presidente da província de São Paulo.

Militão Augusto de Azevedo (RJ, 18 de junho de 1837 –  SP, 24 de maio de 1905)

Militão Augusto de Azevedo (RJ, 18 de junho de 1837 – SP, 24 de maio de 1905)

Há 110 anos falecia o carioca Militão Augusto de Azevedo, autor da primeira grande reportagem fotográfica de São Paulo, o Álbum Comparativo de 1862-1887. Com tomadas simples e privilegiando a cidade construída, Militão nos leva a um passeio por São Paulo, que no período por ele fotografado passou de província a uma cidade cosmopolita que viria se tornar a grande metrópole atual.

Militão Augusto de Azevedo (RJ, 18 de junho de 1837 – SP, 24 de maio de 1905)

Há 110 anos falecia o carioca Militão Augusto de Azevedo, autor da primeira grande reportagem fotográfica de São Paulo, o Álbum Comparativo de 1862-1887. Com tomadas simples e privilegiando a cidade construída, Militão nos leva a um passeio por São Paulo, que no período por ele fotografado passou de província a uma cidade cosmopolita que viria se tornar a grande metrópole atual.

O fotógrafo açoriano Christiano Junior (1832 – 1902) e sua importante atuação no Brasil e na Argentina

O fotógrafo açoriano José Christiano de Freitas Henriques Júnior nasceu na Ilha das Flores, em 1832. Foi um dos maiores e mais versáteis fotógrafos dos oitocentos, além de empresário atuante em diversos ramos. Chegou ao Brasil, em 1855, dedicou-se aos retratos de estúdio e tornou-se famoso por suas cartes de visite de escravizados. Na Argentina, onde se estabeleceu em 1867, notabilizou-se por fotografar tipos locais e paisagens. Faleceu em 1902, em Assunção, no Paraguai.

Brasiliana Fotográfica: dois anos

O portal Brasiliana Fotográfica, uma iniciativa da Fundação Biblioteca Nacional e do Instituto Moreira Salles, completa hoje dois anos com mais de 10 milhões de visualizações e mais de 6 milhões de pesquisas realizadas. Nesse período, foram publicados 90 artigos, que fornecem um panorama da fotografia no Brasil desde as suas origens no século XIX até as primeiras décadas do século XX. Ainda em seu primeiro ano, no blog do portal, tivemos uma publicação de relevância histórica: a presença de Machado de Assis (1839 – 1908) na fotografia da Missa Campal pela comemoração da abolição da escravatura (de autoria de Antônio Luiz Ferreira), realizada em 17 de maio de 1888, no Campo de São Cristóvão. Novos acervos aderiram à Brasiliana Fotográfica – Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, a Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha e o Leibniz-Institut fuer Laenderkunde, de Leipzig, Alemanha – e ainda nesse ano o Arquivo Nacional, o Museu da República e a Casa de Oswaldo Cruz – Fiocruz integrarão o portal!

Os trinta Valérios, uma fotografia bem-humorada de Valério Vieira (1862 – 1941)

O fotógrafo, pianista e compositor Valério Vieira (1862 – 1941) apresentou na Exposição Universal de Saint Louis, nos Estados Unidos, realizada entre de 30 de abril e 1 de dezembro de 1904, a curiosa e bem-humorada fotografia “Os trinta Valérios”, que lhe valeu a medalha de prata. O original autorretrato realizado por Valério, uma combinação de dois gêneros da fotografia – o retrato e a fotomontagem – tem caráter teatral e humorístico e é um marco na história da fotografia brasileira. Na imagem, vê-se a apresentação de uma orquestra, onde todos os músicos, além das figuras da plateia, dos garçons, do busto em cima do móvel e dos quadros pendurados na parede são retratos do fotógrafo. Ao todo, são 30 imagens de Valério Vieira. Inicialmente, a fotografia, realizada em torno de 1901, chamava-se Valerio Fregoli, possivelmente uma referência ao ator italiano Leopoldo Fregoli (1867 – 1936), que representava diferentes papéis numa mesma encenação com rápida troca de caracterização.

São Paulo sob as lentes do fotógrafo Guilherme Gaensly (1843 – 1928)

A Brasiliana Fotográfica homenageia os 463 anos de São Paulo, a maior cidade da América do Sul e a quarta maior do mundo, com imagens produzidas pelo suíço Guilherme Gaensly (1843 – 1928). Ele foi o autor de importantes registros da cidade, vendidos como fotografias em papel albuminado e colotipias impressas na Suíça e comercializadas em álbuns. Em 1899, a empresa The São Paulo Railway, Light and Power Company, o contratou como fotógrafo oficial, função que exerceu até 1925, três anos antes de sua morte. Na ocasião, a presença da Light representava a modernização da área urbana e dos serviços da cidade. Apesar de nunca ter sido o fotógrafo oficial de São Paulo, como foi Augusto Malta (1864 – 1957) no Rio de Janeiro, Gaensly foi o autor de uma abrangente obra sobre a capital paulista nas primeiras décadas do século XX, o que o coloca nessa posição.

O comércio no século XIX e nas primeiras décadas do século XX

A Brasiliana Fotográfica convida seus leitores para um passeio pelo comércio, em algumas cidades brasileiras, na segunda metade do século XIX e nas primeiras décadas do século XX. São ruas e lojas em Belém, Manaus, Pirapora, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Embora todas estas cidades tenham sofrido mudanças radicais, ainda estão de pé alguns dos estabelecimentos aqui retratados. E quanto aos demais…recordar é viver! O mais antigo registro fotográfico da galeria data de 1870 e o mais recente, de 1929.

Dia do Trabalho

Dia do Trabalho

Para lembrar o Dia do Trabalho a Brasiliana Fotográfica criou uma galeria com diversos registros de trabalhadores no Brasil do século XIX e do início do século XX. A galeria contempla trabalhadores rurais e urbanos, trazendo, por um lado…