Registros em Lagoa Santa, Minas Gerais, relacionados ao naturalista Peter Wilhelm Lund (1801 – 1880)

A Brasiliana Fotográfica destaca as imagens disponíveis em seu acervo relacionadas ao notável naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801 – 1880), importante cientista no desenvolvimento da paleontologia, da espeleologia e da arqueologia no Brasil. Os registros pertencem à Fundação Biblioteca Nacional, uma das fundadoras do portal, e são de um crânio fóssil, da casa de Lund e do do jazigo de Peter Andreas Brandt (1792 – 1862), norueguês responsável pelos desenhos e pinturas que ilustram a obra do naturalista.

 

 

Acessando o link para as fotografias relacionadas a Peter Wilhelm Lund disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

Peter Wilhelm Lund, nascido em 14 de junho de 1801, em Copenhagem, após a morte de um de seus irmãos, vítima de tuberculose, decidiu vir para um país de clima mais ameno, aonde se dedicaria ao estudo de História Natural. Desembarcou em 8 de dezembro de 1825, no Rio de Janeiro, na época festivamente iluminado em homenagem ao recente nascimento de Pedro II, ocorrido seis dias antes. Lund ficou no Brasil até  abril de 1829, quando retornou a Copenhagem. Entre esse ano e 1833, quando estabeleceu-se definitivamente no Brasil, viajou para diversos países da Europa. Entre 1835 e 1884, escavou milhares de fósseis nas cavernas de Lagoa Santa, cidade de Minas Gerais, onde viveu até sua morte, em 25 de maio de 1880. Descreveu dezenas de espécies extintas do período Pleistoceno – época geológica compreendida entre 2,588 milhões e 11,7 mil anos atrás. Durante este trabalho, Lund descobriu os esqueletos fossilizados de cerca de 30 seres humanos. Assim como outros cientistas, por exemplo o berlinense Alexander von Humboldt (1769 – 1859) e o britânico Charles Darwin (1809 – 1892), Lund interessou-se pela extinta fauna americana. Combinou o trabalho prático das escavações com o trabalho quanto à sistemática e à taxonomia dos gigantes extintos.

Os registros da casa de Lund e do jazigo de Brandt em Lagoa Santa são de autoria do alemão Augusto Riedel (1836 – ?)*. Seria ele filho de Ludwig Riedel (1790 – 1861), médico e botânico berlinense que havia integrado a Expedição Langsdorff**? Lund e Ludwig Riedel se conheceram na casa do Conde Reventlow (1792-1851), cônsul-geral da Dinamarca, onde Lund se hospedou, entre janeiro e maio de 1833, quando retornou definitivamente ao Brasil. Juntos realizaram várias excursões botânicas nos arredores do Rio de Janeiro e, em 12 de outubro do mesmo ano, iniciaram uma longa viagem pelo interior dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Minas Gerais. Separaram-se em fevereiro de 1835, quando, após seis semanas acamado, Ludwig Riedel retornou ao Rio de Janeiro, onde viria a ocupar os cargos de Diretor do Jardim Botânico do Passeio Público (1839-1858), de primeiro Diretor de Jardins (1848-1861) e de primeiro diretor da seção de Botânica, Agricultura e Artes Mecânicas do Museu Nacional, a partir de 1842 – já havia fundado o herbário da instituição, em 1831. Os amigos nunca mais se viram porém mantiveram uma assídua correspondência até o falecimento de Ludwig, em 1861.

 

 

Voltando à história da fotografia da casa e do jazigo: foram produzidas muitos anos depois, como já mencionado, por Augusto Riedel. Fazem parte do álbum Viagem de S.S.A.A. Reaes Duque de Saxe e seu Augusto Irmão D. Luis Philippe ao Interior do Brasil no Anno 1868 – um dos trabalhos clássicos da documentação fotográfica do século XIX no Brasil. O duque de Saxe, dom Luis Augusto de Saxe Coburgo e Gotha (1845 – 1907), era genro do imperador Pedro II (1825 – 1891), marido da princesa Leopoldina de Bragança e Bourbon (1847 – 1871). Augusto Riedel teria feito parte da comitiva da viagem***. A presença de seu nome na capa do álbum indica que ele já devia ser bastante conhecido e que provavelmente devam existir outras fotos de sua autoria ainda hoje não reconhecidas. A viagem durou meses e foram percorridos os estados de Minas Gerais, onde foram retratadas as cidades de Ouro Preto, Mariana, Sabará, Diamantina (e suas minas de diamantes), Lagoa Santa e o primeiro vapor do rio das Velhas, além das minas de Morro Velho; vistas do rio São Francisco, que levaram os viajantes até Penedo, em Alagoas; Sergipe e, finalmente, Bahia, último estado visitado pela expedição. São possivelmente os mais antigos registros fotográficos dessas regiões do Brasil.  O itinerário percorrido sugere um grande interesse do grupo em geologia e em assuntos relativos à mineração.

 

 

 

 

 

* Pouco se sabe da biografia de Augusto Riedel e a grande maioria dos livros e sites consultados pela Brasiliana Fotográfica afirmam ou levam em conta a possibilidade de ele ser filho do botânico Ludwig Riedel (1790-1861). Em O olhar distante – a paisagem brasileira vista pelos grandes artistas estrangeiros 1637-1998, de Pedro Corrêa do Lago, e no livro Fotógrafos alemães no Brasil do século XIX, de Pedro Vasquez, a dúvida em relação a essa filiação foi levantada. Uma notícia do jornal O Globo, de 10 de novembro de 1874, na quarta coluna da página 4, encontrada pela pesquisa da Brasiliana Fotográfica, prova que havia, de fato, dois Augustos Riedel. O filho de Ludwig trabalhava na casa Leuzinger & Filhos:

 

 

**A Expedição Langsdorff foi uma expedição russa, chefiada e organizada pelo barão Georg Heinrich von Langsdorff (1774 – 1852). Artistas e cientistas, percorreram, entre 1821 e 1829, mais de 17 mil quilômetros pelo interior do Brasil e realizaram um importante inventário do país. Alguns dos principais participantes foram, além do próprio Langsdorff, o francês Antoine Hercule Romuald Florence (1904 – 1879), que se tornaria o autor do mais antigo registro fotográfico existente nas Américas; o artista francês Aimé-Adrien Taunay (1803 – 1828) e o alemão Johan Moritz Rugendas (1802 – 1858), os zoólogos francês Edouard Ménétriès (1802 – 1861) e o alemão Christian Friedrich Hasse (1771 – 1831), o astrônomo russo Néster Rubtsov (1799-1874) e o já citado botânico alemão Ludwig Riedel (1790 – 1861).

*** A grande maioria das fontes consultadas pela Brasiliana Fotográfica afirmam que Riedel fazia parte da comitiva da viagem, porém no livro O naturalista dr. Lund (Peter Wilhelm) - sua vida e seus trabalhos, publicado em 1883 (Gazeta de Notícias, 21 de julho de 1883, segunda coluna), o autor, o médico dinamarquês Theodoro Langgaard (1813 – 1883), que morou no Brasil, afirmou que um fotógrafo, sem mencionar a identidade, havia sido enviado pelo Duque de Saxe, após a realização da viagem, para fazer os registros dos lugares que ele havia julgado mais interessantes.

 

lund1

Trecho do livro O naturalista dr. Lund (Peter Wilhelm) – sua vida e seus trabalhos, de Theodoro Langgaard, página 35

 

Um trecho do testamento de Lund, escrito em 21 de junho de 1871, confirma que Augusto Riedel esteve em Lagoa Santa, em 1869, e teria procurado a caverna de Maquiné:

A pedido do Sr. Augusto Riedel delarco, ser com o meu consentimento que o mesmo senhor, na sua passagem por aqui no mês de maio de 1869, procedeu à procura da caverna chamada Lapa Nova de Maquiné, por mim explorada e descrita no ano 1834. Delcaro outrossim, que, se a mim couber direito, privilégio, prêmio ou emolumento qualquer como primeiro descobridor, cedo todos estes direitos e emolumentos ao dito Sr. Augusto Riedel

(Trecho transcrito do livro Peter Wilhelm Lund, o naturalista que revelou ao mundo a pré-história brasileira, de Ana Paula Almeida Marchesotti, página 93)

Duas imagens que ilustram o livro de Theodoro Langgaard são do álbum Viagem de S.S.A.A. Reaes Duque de Saxe e seu Augusto Irmão D. Luis Philippe ao Interior do Brasil no Anno 1868 : Morada do dr. Lund em Lagoa Santa e Jazigo de Brandt em Lagoa Santa. Brandt trabalhou com Lund de 1835 até sua morte, em 1862. Posteriormente, o próprio Lund, Wilhelm Behrens, que havia sido seu secretário, e seu amigo suíço, Johann Rudolph Müller, foram enterrados no mesmo jazigo. A terceira imagem é a reprodução de um retrato de Lund. As três estão presentes nesse artigo.

 

 

 

 

Andrea C. T. Wanderley

Editora e pesquisadora do portal Brasiliana Fotográfica

 

Fontes:

Annaes da Escola de Minas de Ouro Preto, nº 3, 1884

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002. 408 p., il. p&b.

LAGO, Pedro Corrêa do. O olhar distante – a paisagem brasileira vista pelos grandes artistas estrangeiros 1637-1998. In: Mostra do redescobrimento: o olhar distante – The distant view. Nelson Aguilar, organizador. Fundação Bienal de São Paulo. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos Artes Visuais, 2000.

LANGGAARD, Theodoro. O naturalista dr. Lund (Peter Wilhelm) – sua vida e seus trabalhos. Rio de Janeiro : Typographia Universal de H. Laemmert & C, 1883.

LUNA FILHO, Pedro Ernesto de. Peter Wilhelm Lund: o auge de suas investigações científicas e a razão para o término das pesquisas. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2007.

MARCHESOTTI, Ana Paula Almeida: Peter Wilhelm Lund, o naturalista que revelou ao mundo a pré-história brasileira. Rio de Janeiro : E-Papers, 2011.

SANTOS, Nerêu Cecílio dos. O Naturalista – Biographia do Dr. Pedro Guilherme Lund. 1.ed., Bello Horizonte: Imprensa Official do Estado de Minas Gerais, 1923.

Site da Biblioteca Nacional

Site do Museu Nacional

Site Vitruvius

VASQUEZ, Pedro Karp. Fotógrafos Alemães no Brasil do Século XIX: Deutsche Fotografen des 19. Jahrhunderts in Brasilien. Apresentação Winston Fritsch; prefácio Joaquim Marçal; projeto editorial Pedro Karp Vasquez, Ronaldo Graça Couto; projeto gráfico Victor Burton. São Paulo: Metalivros, 2000. 203 p., il. p&b. ISBN 85-85371-28-5.