A Colônia Dona Francisca, Joinville, por Louis Niemeyer

 

 

A Brasiliana Fotográfica destaca o álbum Vistas fotográficas da Colônia Dona Francisca, importante conjunto iconográfico da colonização alemã no sul do Brasil, dedicado ao imperador dom Pedro II. As imagens foram produzidas, em 1866, por Johann Otto Louis Niemeyer, fotógrafo, provavelmente, de origem alemã*. Colônia Dona Francisca era o nome, na época, de Joinville, cidade em Santa Catarina. O álbum pertence à Coleção Dona Thereza Cristina Maria, da Fundação Biblioteca Nacional, uma das fundadoras do portal. São fotografias de casas, de engenho de açúcar, de ruas, de igreja e também de imigrantes identificados em suas profissões como engenheiro, negociante, administrador e engenheiros. Apenas na foto publicada acima a figura humana é o tema central e ela expressa justamente o espírito desbravador e aventureiro dos imigrantes. Segundo o historiador Pedro Vasquez, os registros de Niemeyer para esse álbum seriam uma espécie de brado de “nós conseguimos”, proferido em uníssono pelos imigrantes da Colônia Dona Francisca.

 

capa 2

 

Esses registros foram apresentados na Exposição de História do Brasil, inaugurada em 2 de dezembro de 1881, na Biblioteca Nacional, organizada pelo seu então diretor Benjamin Franklin de Ramiz Galvão (1846 – 1938). Originalmente eram 18 imagens, porém oito foram furtadas em 2005. Uma foi recuperada em 2012.

Acessando o link para as fotografias de Joinville produzida por Louis Niemeyer disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

O autor das fotografias, Louis Niemeyer, era desde 1860 diretor da Colônia Dona Francisca, assim batizada em homenagem à princesa D. Francisca de Bragança (1824 – 1898), quarta filha do imperador dom Pedro I (1798 – 1834) e de dona Leopoldina (1797 – 1826) e irmã de dom Pedro II (1825 – 1892), que se casou, em 1843, com Francisco Fernando de Orléans (1818 – 1900), Príncipe de Joinville, terceiro filho do rei francês Luís Filipe I (1773 – 1850) (O Correio Oficial (SC), 20 de março de 1861, terceira colunaCorreio Mercantil, e , 31 de outubro de 1866, segunda coluna; e Diário do Rio de Janeiro, 15 de janeiro de 1867, segunda coluna). Em 1871, Niemeyer enviou ao governo um ofício tratando do desenvolvimento da agricultura na província de Santa Catarina com um mapa da colônia de Dona Francisca. Pedia auxílio para a abertura de um negócio (O Auxiliador da Indústria, 1871). Em 1873, teria deixado a diretoria da Colônia.

 

 

 

 

 

 

* De acordo com um artigo publicado no O Atibaiense sobre uma comemoração da família Niemeyer, Louis Niemeyer seria do ramo da família de Hannover, na Alemanha. Em torno de 1790, um general membro da família que fazia parte da Casa Real de Hannover se casou e teve 10 filhos. Um deles teria emigrado para Portugal, onde se casou e teve por filho Conrado Jacob Niemeyer, que teria vindo com a esquadra de d. João VI ao Brasil. Aí teria começado o ramo do Brasil da família Niemeyer, da qual Louis faria parte (O Atibaiense, 13 de outubro de 2010).

 

Andrea C. T. Wanderley

Editora e pesquisadora do portal Brasiliana Fotográfica

 

Fontes:

Blumenau em cadernos, março de 1982

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002. 408 p., il. p&b.FERREZ, Gilberto;

FERREZ, Gilberto;NAEF, Weston J. Pioneer photographers of Brazil : 1840 – 1920. New York: The Center for Inter-American Relations, 1976. 143 p.

FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1).

VASQUEZ, Pedro Karp. Dom Pedro II e a fotografia no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho: Companhia Internacional de Seguros: Ed. Index, 1985. 243 p.

Imagens de Blumenau: por Bernardo Scheidemantel e em álbum do início do século XX

Bandeira de Blumenau

Bandeira de Blumenau

Hoje Blumenau completa 169 anos. A Brasiliana Fotográfica selecionou dois grupos de imagens da cidade: o primeiro pertence à Coleção Thereza Christina Maria, da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), e são da autoria do fotógrafo e litógrafo alemão Bernardo Scheidemantel (1834 – 1908); e o segundo é o Álbum de Blumenau, editado por Eugen Currlin (18? – 19?), proprietário de uma livraria, tipografia e comércio de importações, no início do século XX, na cidade catarinense (Gazeta de Itajahy, 12 de outubro de 1892). Esse álbum, com 14 fotos de autor ainda desconhecido, foi adquirido pelo Instituto Moreira Salles (IMS), em fevereiro de 2002. Os registros dos dois conjuntos são das últimas décadas do século XIX e da primeira década do século XX. São fotos de aspectos da cidade, de suas ruas,  de igrejas – a Igreja Evangélica aparece nos dois conjuntos -, escolas, hospital, vegetação, porto, casas, ponte, estação de trem e hotel. As duas instituições – IMS e FBN – são fundadoras do portal.

O fundador de Blumenau,  a “cidade da cerveja”, em Santa Catarina, foi o farmacêutico e químico alemão Hermann Bruno Otto Blumenau (1819 – 1899), que desembarcou na cidade em 2 de setembro de 1850, com mais dezessete colonos, também alemães. Terceira maior população de Santa Catarina, é o centro econômico do vale do Itajaí onde se destacam as indústrias têxtil e informática. Além disso, é na cidade que acontece durante 17 dias do mês de outubro a Oktoberfest, segunda maior festa de cerveja do mundo, só superada pela de Munique; e a Festitália, realizada pelo núcleo italiano da população.

 

Acessando o link para as fotografias de Blumenau produzidas por Bernardo Scheidemantel disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

 

 

 

Acessando o link para as fotografias do Álbum de Blumenau disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

 

 

 

 

Thumbnail

Álbum de Blumenau, c. 1900. Igreja da Matriz, Santa Catarina / Acervo IMS

 

 

 

 

Breve perfil de Carl Bernard Scheidemantel (1834 – 1908)

 

litogravura

Litogravura de Bernardo Scheidemantel, 1876 / Fundação Cultural de Blumenau

 

Precursor da fotografia no vale do Itajaí, o alemão da Saxônia Carl Bernard Scheidemantel era considerado inteligente, crítico e possuidor de um humor peculiar. Nasceu em 3 de dezembro de 1834, em Braunsdorf. Chegou ao Brasil em 1859 e estabeleceu-se na Colônia Blumenau com seus pais, Gottfried Scheidemantel e Johanna Rosine, e com o irmão Ernst. Trabalhou como lavrador e, em 16 de fevereiro de 1862, casou-se com Agnes Müller. Era desenhista e tipógrafo e criou seu próprio portfólio, reunindo grande parte do seu acervo de rótulos e desenhos desenvolvidos para os mais diversos segmentos, a partir de 1860. Foi em torno de 1864 que começou a atuar como fotógrafo. Mas só a partir da década de 1870 passou a se dedicar exclusivamente à fotografia e à litografia, abandonando sua atividade rural.

Nos Anais da Biblioteca Nacional de 1881 estão registrados que duas obras foram produzidas em sua oficina litográfica na Colônia de Blumenau: uma planta da barra do rio Itajaí levantadas pelos guardas marinhas Alfredo José de Abreu e Arthur Índio do Brasil e Silva sob a direção do capitão tenente Carlos Balthazar da Silveira; e um mapa geral levantado pelo engenheiro Emílio Odebrecht, em 1872 ( Anais da Biblioteca Nacional, pág 296 e pág 298).

 

 

 

Em 1883, publicou uma propaganda de seu ateliê fotográfico em Blumenau (Immigrant Wochenblatt, 4 de abril de 1883). Em 1891, anunciou seu trabalho como fotógrafo e gravurista no Immigrant, de 15 de março de 1891. Nos dois anunciava seus serviços em fotografia, impressão de livros e litografia. Produzia fotos de paisagens, fotos de grupos, retratos, ampliações até a metade do tamanho natural, reproduções de desenhos, gravuras em metal, pinturas, ilustrações, planos, mapas, desenho à mão, diplomas, miniaturas de objetos e desenhos trazidos ao ateliê em fotos e gravura. Também anunciava a  preparação de impressos de obras inteiras, relatórios, estatutos para sociedades, catálogos, cartazes, livros escolares, revistas, formulários de todo tipo, letras de câmbio, papel de carta, faturas, notas (em Português!), recibos, memorandos, listas de preços, livros de contabilidade, convites, cartões de visita, noivado e endereço, ilustrados ou não, rótulos para cervejas, vinhos, cigarros, manteiga e (?), em todas as formas e apresentações – impressos em bronze e a cores. A execução era de bom gosto a preços baixos.

 

 

 

 

Em 29 de fevereiro de 1884, naturalizou-se brasileiro (A Regeneração23 de fevereiro de 1884, primeira coluna e 5 de março de 1884, última coluna).
Em Blumenau, era o responsável pelas assinaturas da publicação Reform, que representaria os interesses da Colônia Dona Francisca. No Rio, as assinaturas poderiam ser feitas na Laemmert & Co; em Santos, com Eduard Menn; e, em Berlim, com Rudolf Mosse (Rio-Post, 2 de junho de 1887).

 

 

Em 1885, foi listado como fotógrafo da província de Santa Catarina (Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro, 1885). Faleceu em 1908. Seu filho, Franz, também seguiu a profissão de fotógrafo.

 

Andrea C. T. Wanderley

Editora-assistente e pesquisadora do portal Brasiliana Fotográfica

 

Fontes:

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.

SILVA, Carla Fernanda da. A representação fotográfica do progresso na Revista Blumenau em Cadernos. Revista de História Regional 14(1): 168-190, Verão, 2009.

Site do governo de Santa Catarina

RODRIGUES, Geislon Tiago. Bernardo Scheidemantel: a obra de um propagandista alemão na colônia de Blumenau. Blumenau: Editora 3 de maio, 2018.