Manguinhos e a cidade do Rio de Janeiro

 

 

A região de Manguinhos vem acompanhando, há mais de cem anos, as transformações de uma cidade que não para de crescer. Área de difícil acesso e pouco habitada, no início do século XX, ela se tornava ideal para se trabalhar com soros e vacinas. Neste local, se instalaria o Instituto Oswaldo Cruz. Manguinhos era acessada apenas pela estrada de ferro ou por meio de barcos. Ao longo do século XX, passaria por uma série de intervenções, justificadas pela necessidade de sanear e urbanizar os subúrbios cariocas. As fotos apresentadas, de autoria de Joaquim Pinto da Silva (c.1884- 1951), imortalizado como J. Pinto, procuram revelar um pouco do passado da instituição, na sua relação com a cidade do Rio de Janeiro.

Acessando o link para as fotografias relativas a Manguinhos e a cidade do Rio de Janeiro disponíveis na Brasiliana Fotográfica, o leitor poderá magnificar as imagens e verificar todos os dados referentes a elas.

 

 

 

Dia do Trabalho

Marc Ferrez. Primeira foto do trabalho no interior de uma mina de ouro, 1888. MG

Marc Ferrez. Primeira foto do trabalho no interior de uma mina de ouro, 1888. MG / Acervo IMS

O Dia do Trabalho é festejado no Brasil desde 1895, quando foi realizada a primeira comemoração da data que se tem registro no país, por iniciativa do Centro Socialista de Santos, em São Paulo. Mas sua celebração só foi oficializada pelo governo brasileiro em 26 de setembro de 1924 a partir do Decreto número 4.859 sancionado pelo então presidente Arthur Bernardes (1875-1955).  Em seu artigo único declarava “feriado nacional o dia 1 de maio, consagrado à confraternidade universal das classes operárias e à comemoração dos mártires do trabalho; revogadas as disposições em contrário”.  A data tem sua origem numa homenagem aos trabalhadores de Chicago que, em 1º de maio de 1886, iniciaram uma série de manifestações por melhores condições de trabalho e especialmente por uma jornada de trabalho de 8 horas. Em 1889, durante uma reunião da Segunda Internacional Socialista, em Paris, a data foi estabelecida.

Para lembrar o Dia do Trabalho a Brasiliana Fotográfica criou uma galeria com diversos registros de trabalhadores no Brasil do século XIX e do início do século XX. São fotos de Augusto Riedel (1836 – ?)Georges Leuzinger (1813 – 1892), Guilherme Gaensly (1843 – 1928), Henrique Rosen (?-1892), Marc Ferrez (1843 – 1923)Militão Augusto de Azevedo (1837 – 1905) e Vicenzo Pastore (1865 – 1918), além de trabalhos de fotógrafos anônimos. A galeria contempla trabalhadores rurais e urbanos, trazendo, por um lado, um pouco da história cotidiana brasileira e, por outro, registros do mundo do trabalho na segunda metade do século XIX e primeiras décadas do século XX que ajudam a contextualizar as transformações objetivas e subjetivas que modificaram significativamente as relações sociais, econômicas e políticas no país no período.

Links para as notícias da comemoração do primeiro feriado de 1º de maio no Brasil:

O Paiz – Edição de 02/05/1925

Jornal do Brasil – Edição de 02/05/1925

Galeria do Dia do Trabalho